2 de mai de 2016

Como cuidar da pele com rosácea?

Como cuidar da pele com rosácea?

Como cuidar da pele com rosácea?
A rosácea é uma doença inflamatória de pele crônica, cujos sintomas envolvem áreas de vermelhidão na pele e lesões inflamadas, especialmente nas bochechas, nariz, testa e queixo. Muitas vezes começa entre as idades de 30 e 50 anos e afeta mais mulheres do que homens.
Quando os primeiros sintomas aparecem, podem ser confundidos com queimaduras solares. Conforme a doença se agrava, a vermelhidão torna-se mais duradoura e óbvia.
A rosácea provoca vermelhidão no rosto e pode produzir pequenas elevações na pele, semelhantes à acne, daí também ser chamada por alguns de acne rosácea.
A rosácea é considerada uma doença crônica da pele, incurável e se caracteriza por alternância entre períodos de melhora e agravamento. Ao contrário da acne comum, a maioria dos pacientes com rosácea não melhora com o passar dos anos, pelo contrário: se não houver tratamento, a doença torna-se cada vez mais evidente.

Sintomas da Rosácea

  • Vermelhidão facial. Pequenos vasos sanguíneos no nariz e bochechas muitas vezes incham e tornam-se visíveis.
  • Protuberâncias no rosto que se assemelham a acne.
  • Secura ocular e pálpebras avermelhadas, com irritação e inchaço.
  • Nariz alargado. Raramente, a rosácea pode engrossar a pele do nariz, fazendo com que ele adquira um aspecto grosseiro.
Como cuidar da pele com rosácea?

Tipos de Rosácea

Existem cinco subtipos de rosácea, que variam conforme ela se manifesta:
  • Eritemato telangectasia: A pele adquire um tom avermelhado, rosado e diminutos vasos (telangectasias) se tornam evidentes, principalmente na região centro facial, próximo às laterais do nariz. O avermelhamento pode ser agravado por vários fatores, entre eles: o álcool, sol, estresse, exercícios físicos e calor. Quem possui a rosácea pode ter a sensação de estar com a pele pinicando ou queimando. Neste caso, a pele é mais sensível e não se pode utilizar creme abrasivos ou ácidos.
  • Rosácea pápula pustulosa: Nesse tipo de rosácea, soma-se ao tom avermelhada o aparecimento de lesões pápulo-pustulosas em surtos, como se fossem espinhas. Nesse tipo, a rosácea lembra a acne – tanto que por muito tempo foi chamada de acne rosácea.
  • Rosácea ocular: atinge a região dos olhos. Cerca de 20% dos casos são descobertos em visita a um oftalmologista. O indicativo da doença é uma inflamação (chamada de blefarite) com avermelhamento e descamação na área dos cílios. Este tipo é o mais grave, pode evoluir para a perda da visão.
  • Granulomatosa: Sua característica principal é o aparecimento de pequenos nódulos acastanhados na face. Cerca de 15% dos pacientes com a doença podem ter lesões em outros locais. Seu diagnostico é difícil e requer um alto grau de suspeição por parte do dermatologista
  • Rosácea fimatosa: Esse é o tipo menos frequente de rosácea. Seria um estagio final da doença. A pele torna-se espessada, endurecida e avermelhada, com poros dilatados. A rosácea fimatosa é caracterizada pelo aumento e infiltração de áreas como as glândulas sebáceas do nariz e é comum em homens com mais de 50 a 60 anos.

Causa da Rosácea

A causa da rosácea ainda não é totalmente conhecida, mas estudos apontam para uma combinação de fatores hereditários e ambientais. Sabe-se que a doença surge por uma combinação de vários fatores, entre eles, anormalidades no sistema imunológico, reações inflamatórias a microrganismos da pele, lesões por raios ultravioleta e disfunção dos vasos sanguíneos.
Para a rosácea mais comum, algumas práticas simples já pioram o problema, entre elas: bebidas alcoólicas, temperaturas extremas, exposição ao sol, estresse, exercício extenuante e muito banhos quentes.
Nas pesquisas sobre os mecanismos fisiopatológicos causadores da rosácea, a teoria mais aceita no momento é a de que o sistema imunológico inato, que é a primeira linha de defesa do nosso complexo sistema imunológico, age de forma intensa quando exposto a determinados estímulos externos, como raios solares, traumas físicos ou químicos, ou germes presentes na pele. Esta resposta anômala do sistema imunológico inato provoca inflamação da pele e dilatação dos seus pequenos vasos sanguíneos mais superficiais, levando à vermelhidão, sensação de calor e ao aparecimento de pequenos vasos no rosto.
Entre os germes que podem estar relacionados à rosácea, dois se destacam: o ácaro Demodex folliculorum e bactéria Bacillus olenorius, ambos normalmente presentes na nossa pele.
Como cuidar da pele com rosácea?

Tratamento da Rosácea

A rosácea, a princípio, não tem cura. No entanto, com o tratamento adequado, a maioria das pessoas consegue controlar os sintomas e evitar que a doença se agrave. Alguns tratamentos utilizados:
  1. O tratamento do tipo mais comum é feito com produtos tópicos, como metronidazol 0,75%, ácido azelaico 0,75%, peróxido de benzoíla e retinoides tópicos. O objetivo principal do tratamento é diminuir a inflamação do paciente, usando as substâncias citadas cerca de 1 a 2 vezes por dia.
  2. Uma alternativa é a utilização de oximetozolina e da brimonidina. Ambos diminuem e controlam o flushing (vermelhidão). É bom lembrar que eles não curam a rosácea, mas diminuem o sintoma do avermelhamento. Os inibidores da calcineurina também melhoram a inflamação.
  3. Também é bastante útil o uso do laser ou da luz pulsada para vasos. A luz do laser atinge os vasos, promove sua destruição e clareia a região. Os tipos de laser mais utilizados são o Pulsed Dye Laser e NdYag. O tratamento para rosácea com laser é feito em consultório dermatológico, e destrói os vasos de sangue visíveis no rosto que causam a vermelhidão na pele, assim como o tratamento com luz pulsada.
  4. Alguns antibióticos em comprimidos possuem propriedades anti-inflamatórias e ajudam no controle da inflamação, podendo ser usados nos casos de rosácea pápulo-pustulosa. Os mais comuns são tetraciclina, minociclina e eritromicina.
  5. A isotretinoína é uma medicação habitualmente usada nos casos de acne severa, mas que também é útil nos casos graves de rosácea, que não respondem ao tratamento inicial.
Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e nunca se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Cuidados em casa

Além de evitar os fatores agravantes e seguir o tratamento indicado pelo dermatologista, adotar hábitos simples ajuda a combater a sensibilidade da pele. É recomendado o uso de protetor solar, sabonete com enxofre e pH fisiológico, além de borrifamento com água termal.
Quem gosta de maquiagem para disfarçar a vermelhidão do rosto deve preferir produtos hipoalergênicos, corretivo e base em tom verde, que neutraliza a cor vermelha da rosácea. É melhor do que usar uma camada muito grossa de base, que pode irritar ainda mais a pele.
No tratamento natural para rosácea, o gel de aloe vera e a água de rosas tem sido usados para aliviar e prevenir os sintomas da rosácea na pele, assim como o pepino pode ser usado para diminuir a sensibilidade dos olhos para tratamento da rosácea ocular. Estes tratamentos naturais são recomendados para prevenir os sintomas da rosácea, com o benefício de não provocar efeitos colaterais como os outros tratamentos.

Cosméticos para Rosácea

Os cosméticos não vão resolver o problema, eles são como coadjuvantes no tratamento e ajudam muito a manter a aparência da pele saudável.
Para mais informações sobre cada produto, os links abrem em uma nova janela ou aba de seu navegador. Essa é uma pesquisa dos produtos mais eficientes e recomendados, e os links são todos para lojas confiáveis.
Postar um comentário