31 de jul de 2015

Tatuagem *

uitos povos acreditam que a tatuagem proporciona proteção mágica contra as doenças e a má sorte. Outros usam-na como meio de tornar evidente a posição social de uma pessoa no grupo. Mas isso só para quem conhece a origem da tatuagem ou tem tradições culturais. A motivação mais frequente entre os jovens é a de ordem estética. A tatuagem é mais um enfeite, uma forma de expressão. É a diferença explícita no próprio corpo. Além do modismo (aquela história "todo mundo tem, também quero ter") há outros fatores que contribuíram para que a tatuagem ganhasse, literalmente, a pele de muita gente. "A procura aumentou muito porque a qualidade hoje em dia está muito melhor, a maior parte dos materiais é importada e não dói tanto como antigamente", explica o tatuador Guinho. Ele é tatuador há 12 anos e entende do assunto. A popularização da tatuagem fez com que muitos adolescentes menores de idade o procuram para fazer tatuagem, o que só é permitido para maiores de 18. "É uma briga com a garotada, pois quem pode fazer é só adulto, os menores precisam ter autorização."
Além de jovens, a maior parte de sua clientela é formada por mulheres. Enquanto os homens costumam tatuar algo que mostre a sua masculinidade em desenhos maiores e locais mais expostos como braços, pernas e costas, elas preferem desenhos delicados como comics (personagens de desenhos animados), florzinhas e estrelinhas e quase sempre em lugares discretos como a nuca, na virilha e no tornozelo.
A incorporação da tatuagem ao universo feminino também pode ser facilmente observada através de sua visibilidade em publicações voltadas para esse público. A tatuagem tem estado presente, especialmente nos últimos dois anos, em diversas revistas femininas de grande circulação no mercado editorial brasileiro. Ela aparece em artigos específicos sobre a prática da tatuagem, em editoriais e reportagens de moda, estampada no corpo de modelos conhecidas e tatuadas, como Marina Dias, Mariana Weickert e Gisele Bündchen.
E a garotada está entrando com o corpo todo na tattoo. A jovem Aline Weber, 18, está super feliz com a florzinha que tatuou semana passada embaixo do umbigo. Ela decidiu fazer porque acha bonito e diferente e garante que não dói muito. "É como uma depilação, logo passa. Vale a pena, mesmo sofrendo um pouquinho".
Ellen Cristina de Almeida, 20, escolheu desenhos místicos, mas também delicados. Ela fez uma borboleta no quadril quando tinha 18 anos, com 19 fez um pássaro fênix na perna e na semana passada fez o desenho de um mago beijando uma mulher nas costelas. "Eu gosto de tatuagem desde os 15 anos, mas esperei ficar maior de idade para poder fazer", conta.
Suas tattos não demoraram muito para serem feitas, a mais longa foi a do mago, cerca de uma hora e meia. Já o desenho da fênix durou 45 minutos e a borboleta uns 15 minutos. Ellen não tem medo de se arrepender. "Nos lugares que fiz posso esconder se precisar", justifica. "Tenho vontade de fazer uma no braço, mas não faço por medo de um dia achar que já não é mais conveniente para mim", revela.
Escolher um bom profissional é importante na hora de fazer a tatuagem, mas muitas vezes quem chamamos de "profissional", não é reconhecido pela lei como um. Isso mesmo. Há pessoas que praticam a arte de tatuar mesmo sem serem reconhecidas totalmente como profissionais. E esse reconhecimento vem, principalmente, da experiência.O tatuador Guinho, por exemplo, "ralou" para conseguir legalizar seu estúdio, pois não existia um código específico para a atividade de tatuador em Mato Grosso.
"A tatuagem não é reconhecida como uma profissão", observa. Mas ele foi à luta, entrou com um recurso na Justiça e ganhou. Atualmente em Cuiabá, seu estúdio é o único registrado em lei como micro empresa. Foi criado até um "Código de Manutenção do Físico Corporal (tatuagem e body piercing)", que entre outras coisas proíbe a realização em menores de idade, procedimentos inerentes à prática da tatuagem e à prática denominada piercing em estabelecimentos, por profissionais de saúde ou ainda, por qualquer pessoa. A lei registra também a necessidade de higiene dentro dos estúdios.
E para quem não é muito a fim de ficar com um desenho ou símbolo para o resto da vida, mas mesmo assim é louco para ter um desenho no corpo, existem as tatuagens temporárias. Os tipos são vários, pode escolher à vontade. Algumas tattoos temporárias são as de decalque e as descartáveis. O decalque pode ser encontrado em bancas de jornais ou papelarias, para aplicar basta umedecer o papel antes de colocar. O único porém é que, em geral, sai ao primeiro esfregão com a toalha. As descartáveis podem ser feitas com pincéis e tintas atóxicas à base de água, ou canetinhas do tipo hidrocolor, que ficam na pele por no máximo um mês. O chato é que não costumam ser baratas.
Postar um comentário