31 de ago de 2013

Meu amor um feliz sábado*

Um belo sábado de alegria*

É verdade que a "vitamina S" faz bem para o bebê?

Um pouquinho de sujeira não faz mal, mas depende das circunstâncias e principalmente da idade do bebê.

Até o bebê ter 6 meses, pelo menos, seu sistema imunológico ainda é imaturo, e as vacinas só começaram. Nessa fase, limpeza nunca é demais. É preciso inclusive pedir às visitas que lavem as mãos antes de segurar o recém-nascido no colo.

Mas, conforme o bebê vai crescendo e se fortalecendo, você pode se preocupar menos. O bebê vai colocar na boca brinquedos que estiveram no chão, por exemplo. E é importante para o desenvolvimento e a motricidade que ele seja colocado no chão, desde que bem limpo (assim como os brinquedos).

Se você tiver cachorro, também não precisará lavar suas mãos todas as vezes que tiver feito um carinho nele.

Existe uma teoria de que foi o excesso de limpeza, a partir da década de 1970, que deu origem à epidemia atual de alergia em crianças, principalmente nos países mais desenvolvidos. Outro fator teria sido a diminuição do tamanho das famílias. As crianças teriam menos contato com microorganismos do que tinham nas gerações anteriores.

A hipótese é que, sem ter "grande trabalho", o sistema imunológico das crianças passou a encarar substâncias até então inofensivas, como a poeira e o pólen, como invasores perigosos. Teria então aumentado o número de casos de alergias e asma.

Alguns sinais apontados pela teoria são:

  • Crianças criadas em fazendas teriam menos risco de ter asma e outras alergias
  • Crianças que têm irmãos mais velhos, ou que frequentam escola ou creche desde pequenas, correriam menos risco de ter asma.
  • Crianças teriam menos risco de ficar sensíveis a algumas substâncias alergênicas (como pólen ou ácaros) ao conviverem com cães ou gatos quando bebês.
  • Crianças que têm infecções respiratórias e de garganta frequentes quando pequenas teriam risco menor de ter asma no futuro.


O fator em comum ligando animais, fazendas, escolinhas e convívio com outras crianças é a presença de endotoxinas, uma palavra mais bonita para resquícios de cocô. E pouca coisa tem mais bactérias que o cocô.

Existem ainda outras teorias para o aumento nas alergias, principalmente nos países desenvolvidos. Há quem culpe o uso de remédios como o paracetamol. Outros responsabilizam as mudanças na alimentação.

Como nenhuma teoria foi comprovada ainda, o melhor a fazer é não estressar além da conta com a "vitamina S" que o bebê possa estar em contato na escolinha ou no convívio com um bichinho de estimação, ou ainda com as brincadeiras no chão.

Vale lembrar também que antecedentes familiares de alergia, como asma e rinite alérgica, são fatores adicionais que colocam crianças em risco para o desenvolvimento dessas condições no futuro.
 Obs: eu fico de cabelo em pé quando ele se suja porque uns dizem que da bactérias e outro dizem quem fazem bem mas vendo hoje o programa na televisão e a própria pediatra disse que se suja faz bem eu vou deixa meu filhote se suja mas como eu sou mamãe de primeira viajem eu tenho minhas duvidas é claro e toda mãe deve ter também

Garnier Fructis Novo Fructis Óleo Reparação

Eu vou compra ele me disseram que ele é um ótimo produto depois eu digo o resultado*
Um poderoso aliado para o tratamento dos cabelos que oferece, em um só gesto, oito ações e trans formação imediata.
Indicado para todos os tipos de cabelo. Sua fórmula avançada combina dois ingredientes exclusivos: os preciosos óleos de argan e camélia conhecidos por suas propriedades nutritivas.
O novo Fructis Super Óleo 8 pode ser utilizado de 3 formas diferentes: como pré-shampoo, para uma nutrição intensa; antes da escova, para proteger e facilitar a escova; e como finalizador.
São 8 poderosas ações em 1 só gesto: nutrição, brilho, suavidade, selagem das pontas, controle do frizz, termo proteção até 230° C, desembaraço e blindagem. A sua fórmula ainda possui filtro UV e textura leve que penetra no fio sem pesar.

Ele adora música ainda se for Rock*

Ele é muito fofo adora escuta seu Rock foi influenciado pelo tio é claro

Samuka brincando com Beyblade igual a do desenho

Tentando lança o brinquedo que já não existe mas o cabinho o gato comeu

30 de ago de 2013

Avon Naturals Erva Doce Creme Hidratante para as Mãos 50g

AVON NATURALS ERVA DOCE CREME HIDRATANTE PARA AS MÃOS - 50g: hidrata a pele ressecada, que fica macia e levemente perfumada com a refrescante fragrância de erva doce. Possui rápida absorção, sem deixar sensação oleosa. Prático para ser usado a qualquer hora do dia. Com ação desodorante. Mas um produto que vou testa depois eu digo se é bom ou não

Sabonete Íntimo Simply Delicate da Avon

Eu uso o Simply Delicate da Avon, que me proporciona uma agradável sensação de limpeza e frescor, e tem mais, vejam:
Foi especialmente desenvolvido para a higiene diária da parte mais delicada do corpo da mulher.
Na sua fórmula contém Gentle Complex, um complexo natural que atua como neutralizador de odores.
Mantém o ph vaginal balanceado.
É hipoalergênico, não irrita a pele.
Testado por dermatologistas e ginecologistas.


O modo de uso é bem simples, aplica-se uma pequena quantidade sobre a palma da mão espalhando sobre a região genital externa até obter espuma, depois enxague abundantemente.
Quanto ao preço é melhor consultar uma revendedora, por causa das promoções o preço varia bastante.
Na sua embalagem tem uma pequena advertência meninas, o excesso de uso pode ocorrer irritação vaginal, por isso não é bom exagerar, hehe.
Como meu tinha acaba eu comprei esse roxo e veio esse rosa de brinde é muito bom

Muito fofa essa bolsa


29 de ago de 2013

Ma video de Samuka agora é a bagunça

é todo dia isso eu tenho que fica catando ,porque ele mesmo foge da sua bagunça*

Meu filhote deu agora mija na roupa*

quando agente briga com ele ou quando não se sente a vontade ele vai mija na roupa eu não sei porque isso eu já expliquei que tem que ir no banheiro mas não adianta isso esta ocorrendo varias vezes do dia eu não sei porque eu não sei se é porque eu brigo com ele porque ,não pode fazer besteira ou se ele esta ficando com algum problema emocional , eu vou conversa com a pediatra dela pra vê o que ela fala sobre isso

Perguntas e Respostas Sobre o Câncer

O que é câncer?
Câncer é um grupo de doenças que se caracterizam pela perda do controle da divisão celular e pela capacidade de invadir outras estruturas orgânicas.
O que causa o câncer?
O câncer pode ser causado por fatores externos (substâncias químicas, irradiação e vírus) e internos (hormônios, condições imunológicas e mutações genéticas). Os fatores causais podem agir em conjunto ou em seqüência para iniciar ou promover o processo de carcinogênese. Em geral, dez ou mais anos se passam entre exposições ou mutações e a detecção do câncer.
O câncer é hereditário?Em geral o câncer não é hereditário. Existem apenas alguns raros casos que são herdados, tal como o retinoblastoma, um tipo de câncer de olho que ocorre em crianças. No entanto, existem alguns fatores genéticos que tornam determinadas pessoas mais sensíveis à ação dos carcinógenos ambientais, o que explica por que algumas delas desenvolvem câncer e outras não, quando expostas a um mesmo carcinógeno.
O câncer é contagioso?Não. Mesmo os cânceres causados por vírus não são contagiosos como um resfriado, ou seja, não passam de uma pessoa para a outra por contágio. No entanto, alguns vírus oncogênicos, isto é, capazes de produzir câncer, podem ser transmitidos através do contato sexual, de transfusões de sangue ou de seringas contaminadas utilizadas para injetar drogas. Como exemplos de vírus carcinogênicos, tem-se o vírus da hepatite B (câncer de fígado) e vírus HTLV - I / Human T-lymphotropic virus type I (leucemia e linfoma de célula T do adulto).
Qual a diferença entre câncer in situ e invasivo?
O carcinoma in situ (câncer não invasivo) é o primeiro estágio em que o câncer não hemapoético pode ser classificado. Nesse estágio, as células cancerosas estão somente na camada da qual elas se desenvolveram e ainda não se espalharam para outras camadas do órgão de origem. A maioria dos cânceres in situ é curável, se for tratada antes que progrida para a fase de câncer invasivo. Nessa fase, o câncer invade outras camadas celulares do órgão e invade e ganha a capacidade de se disseminar para outras partes do corpo.
O câncer tem cura?Atualmente, muitos tipos de câncer são curados, desde que tratados em estágios iniciais, demonstrando-se a importância do diagnóstico precoce. Mais da metade dos casos de câncer já tem cura.
Todo tumor é câncer?Não. Nem todo tumor é câncer. A palavra tumor corresponde ao aumento de volume observado numa parte qualquer do corpo. Quando o tumor se dá por crescimento do número de células, ele é chamado neoplasia - que pode ser benigna ou maligna. Ao contrário do câncer, que é neoplasia maligna, as neoplasias benignas têm seu crescimento de forma organizada, em geral lento, e apresenta limites bem nítidos. Elas tampouco invadem os tecidos vizinhos ou desenvolvem metástases. O lipoma e o mioma são exemplos de tumores benignos.
O câncer pode ser prevenido?Os cânceres causados pelo tabagismo e pelo uso de bebida alcóolica podem ser prevenidos em sua totalidade. A Sociedade Americana de Cancerologia estimou para 1998 cerca de 175.000 mortes por câncer causadas pelo uso do tabaco e um adicional de 19.000 mortes relacionadas ao uso excessivo de álcool, freqüentemente em associação com o uso do tabaco. Muitos cânceres que estão relacionados à dieta também podem ser prevenidos. Evidências científicas sugerem que aproximadamente um terço das mortes por câncer estão relacionadas a neoplasias malignas causadas por fatores dietéticos. Além disso, muitos cânceres de pele podem ser prevenidos pela proteção contra os raios solares. Exames específicos, conduzidos regularmente por profissionais da saúde podem detetectar o câncer de mama, cólon, reto, colo de útero, próstata, testículo, língua, boca e pele em estádios iniciais, quando o tratamento é mais facilmente bem sucedido. Auto-exames de mama e pele podem também resultar no diagnóstico precoce de tumores nessas localizações.
Quais são os progressos na prevenção do câncer?Os efeitos da prevenção primária, como a redução da prevalência do tabagismo, já podem ser observados na população masculina norte-americana, enquanto no Brasil os esforços são contínuos para se aumentar a adesão aos programas de controle do tabagismo. As novas estratégias que ajudam os fumantes a abandonar o cigarro, como o uso dos adesivos de reposição de nicotina e as terapias de apoio psicológico, já vêm apontando para resultados favoráveis em diferentes estudos científicos. No que diz respeito à prevenção, o exame de Papanicolaou e a mamografia, respectivamente, na detecção do câncer do colo do útero e de mama, diferentes estudos científicos têm mostrado sua utilidade no diagnóstico precoce desses cânceres, embora o impacto da mamografia, sobre a mortalidade por câncer de mama ainda seja objeto de investigações.
Como é o tratamento do câncer?O tratamento do câncer pode ser feito pela cirurgia, radioterapia ou quimioterapia, utilizadas de forma isolada ou combinada, dependendo do tipo celular do órgão de origem e do grau de invasão do tumor.
Quem está sob risco de desenvolver câncer?Qualquer pessoa. Como a ocorrência do câncer aumenta com a idade, a maioria dos casos acontece entre adultos de meia idade ou mais velhos. O risco relativo mede a relação existente entre os fatores de risco e o câncer. Ele compara o risco de um câncer se desenvolver em pessoas com determinada exposição ou característica ao risco observado naquelas pessoas sem essa exposição ou característica. Por exemplo, os fumantes têm um risco relativo 10 vezes maior de desenvolver câncer de pulmão quando comparados aos não fumantes. A maioria dos riscos relativos não apresentam essa dimensão. Por exemplo, as mulheres com uma história familiar em primeiro grau de câncer de mama (ocorrência da doença em mãe, irmã ou filha) têm cerca de duas vezes mais risco de desenvolver câncer de mama, quando comparadas às mulheres que não apresentam essa história familiar.
Quais as fontes de dados de informação em câncer?Os dados dos Registros de Câncer - Populacionais e Hospitalares - e os dados de Mortalidade constituem-se na base das informações para estudar a magnitude do câncer no Brasil. Os Registros de Câncer se caracterizam como centros sistematizados de coleta, armazenamento e análise da ocorrência e das características de todos os casos novos de câncer, ocorridos em uma população (Registros de Câncer de Base Populacional - RCBP) ou em um hospital (Registros Hospitalares de Câncer - RHC). Os RCBP produzem informações sobre a incidência do câncer em uma população geograficamente definida. Os RHC levantam informações sobre as características dos tumores e a avaliação da sobrevida e assistência prestada ao paciente com neoplasia maligna atendidos nos hospitais. O principal papel dos Registros de Câncer é fornecer subsídio aos profissionais da área da saúde para a avaliação da qualidade da assistência prestada, para a pesquisa sobre o câncer e para o planejamento das ações de saúde.
Existem hoje no Brasil 20 Registros de Câncer de Base Populacional (RCBP) com informações consolidadas. Estes registros têm sido as fontes que nos permitem a avaliação de dados referentes a incidência de câncer no país. Com relação à mortalidade, a fonte de dados é o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde. A maioria dos estudos brasileiros sobre a saúde da população baseia-se na análise de dados sobre a mortalidade por uma determinada causa, porque a morte dá origem a um documento legal, de preenchimento obrigatório - o atestado de óbito. Apesar de apresentar problemas de subnotificação, a qualidade dessa informação é considerada boa para as neoplasias malignas, dada a necessidade de hospitalização da maioria dos pacientes e o conhecimento dos óbitos ocorridos nos hospitais. Os dados dos RCBP e do SIM constituem-se na base de cálculo das estimativas de casos novos e de mortes por câncer no Brasil.
Quem tem direito ao tratamento pelo SUS?A atenção à saúde no Brasil é de acesso universal, isto é, todo cidadão tem direito a atendimento gratuito. Por isso, o Ministério da Saúde garante o atendimento integral a qualquer doente com câncer, por meio do Sistema Único de Saúde, o SUS.
Atendimento integral significa proporcionar ao doente todos os cuidados de que necessita para a cura ou o controle da doença inclusive, as medidas de suporte para os tratamentos, cuidados paliativos, que visam a dar melhores condições de vida aos doentes que não puderem ser curados e reabilitação para a reintegração social daqueles que ficam com seqüelas da doença ou do tratamento.
integralidade é fundamental na oncologia também porque a grande maioria dos tipos de câncer só pode ser tratada, de modo resolutivo, com variadas modalidades de tratamento, sucessivas e complementares, que compõem protocolos. Assim, por exemplo, para que a cirurgia planejada para determinado tipo de câncer tenha êxito em curar, pode ser necessário que seja precedida de tratamento com medicamentos quimioterápicos e sucedida com radioterapia e outros medicamentos anti-tumorais, isto tudo em períodos rigorosamente programados.
Como o SUS está organizado para atender a população?O SUS tem organizado o tratamento de câncer de modo a oferecer em um mesmo Estabelecimento de Saúde, todas as modalidades de tratamento, como cirurgia, quimioterapia, radioterapia e, inclusive, cuidados paliativos e reabilitação.
Existem, no Brasil, mais de 300 Estabelecimentos de Saúde prestando assistência oncológica de alta complexidade a doentes do SUS, espalhados por 26 Estados e em 128 diferentes municípios. A maioria deles é Hospital Geral com reconhecida capacidade de prestar atendimento de alta complexidade e alguns são hospitais especializados em câncer.
Todos os hospitais que atendem pacientes pelo SUS são públicos?Os Estabelecimentos de Saúde cadastradas no SUS podem ser de natureza pública, isto é, pertencer a um governo estadual, municipal ou federal ou então ser de natureza privada, isto é, pertencer a entidades privadas. Todos eles, porém, prestam atendimento público gratuito , custeado por recursos públicos, oriundos de impostos e contribuições.
Qual o papel das Secretarias de saúde no atendimento?As Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde planejam, organizam, controlam e avaliam o Sistema Único de Saúde em seu território, e por isso são chamados de gestores locais do SUS. Assim, quando um doente de câncer quer ser tratado no SUS recomenda-se que procure a Secretaria Municipal ou Estadual de Saúde de onde reside para ser orientado sobre qual Estabelecimento de Saúde poderá oferecer o melhor atendimento possível para seu caso.
Quais as normas para quem tem plano de saúde?
O tratamento oferecido pelos planos de saúde obedece a legislação própria, da chamada Saúde Suplementar, que é de caráter geral, sem conteúdo específico para os  tratamentos de câncer.
Os planos constituídos após a vigência da Lei nº 9.656/98 têm os procedimentos para tratamento de câncer relacionados em um Rol de Procedimentos publicado pela Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS. Para os planos constituídos antes de 2 de janeiro de 1999 e ainda vigentes, a cobertura a ser garantida é a que consta das cláusulas contratuais acordadas entre as partes.
Respostas às dúvidas em relação à cobertura de tratamento por planos de saúde, podem ser obtidas consultando-se a Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS   ou pelo Disque ANS: 0800 701 9656 .

De que modo o governo garante medicamentos para o tratamento do câncer gratuitamente?Até 1998, havia fornecimento em farmácias do SUS (em geral, de Secretarias Estaduais de Saúde) de alguns medicamentos para tratamento de câncer, principalmente hormonioterápicos e imunobiológicos antineoplásicos de uso contínuo, bastando que a pessoa apresentasse uma receita e um relatório de algum médico, de consultório particular ou de hospital público ou privado.
Visando ao cumprimento dos Princípios e Diretrizes do Sistema Único de Saúde - SUS, estabelecidos no Artigo 7 da Lei Federal 8080, de 19 de setembro de 1990, as normas vigentes do Ministério da Saúde estabelecem que todos os medicamentos para o tratamento do câncer (inclusive aqueles de uso oral) devem ser fornecidos pelo Estabelecimento de Saúde (clínica ou hospital) público ou privado, cadastrado no SUS para atendimento deste tipo de doença e somente para os pacientes que estiverem recebendo o seu tratamento no próprio Estabelecimento.
Nesta questão, foram considerados os seguintes princípios:
1-Integralidade, entendida como conjunto articulado e contínuo das ações e serviços preventivos e curativos, individuais e coletivos, exigidos para cada caso em todos os níveis de complexidade do sistema.
Atendimento integral significa proporcionar ao doente todos os cuidados de que necessita para a cura ou o controle da doença inclusive, cuidados paliativos, que visam a dar melhores condições de vida aos doentes que não puderem ser curados e reabilitação para a reintegração social daqueles que ficam com seqüelas da doença ou do tratamento.
A integralidade é fundamental na oncologia também porque a grande maioria dos tipos de câncer só pode ser tratada, de modo resolutivo, com variadas modalidades de tratamento, sucessivas e complementares, que compõem protocolos. Assim, por exemplo, para que a cirurgia planejada para determinado tipo de câncer tenha êxito em curar, pode ser necessário que seja precedida de tratamento com medicamentos quimioterápicos e sucedida com radioterapia e outros medicamentos anti-tumorais, isto tudo em períodos rigorosamente programados.
Portanto, em termos de uso racional do dinheiro público, não há sentido distribuir medicamentos de forma descontrolada, sem a garantia de que o doente terá acesso às outras modalidades de tratamento de que necessita, dentro de protocolos de eficácia reconhecida cientificamente.
2- Igualdade da assistência à saúde, sem preconceitos ou privilégios de qualquer espécie. Isto significa que o SUS deve fornecer condições de assistência idênticas a todos os cidadãos. Assim, as regras de acesso aos tratamentos (como por exemplo estar em tratamento em um hospital ligado ao SUS para obter medicamentos) devem valer para todos os doentes, mesmo para aqueles que se servem de operadoras de planos de saúde para custear parte de seu tratamento.
Assim, os Estabelecimentos de Saúde deverão prestar toda a assistência necessária ao doente, inclusive o fornecimento de medicamentos (mesmo aqueles de tomada oral, em casa). Posteriormente, o Ministério da Saúde fará ao Estabelecimento, o ressarcimento financeiro pelos serviços prestados.
Este ressarcimento irá incluir, além do valor dos medicamentos quimioterápicos e hormonioterápicos, conforme necessário, também os valores: da consulta médica; dos medicamentos utilizados em concomitância à quimioterapia, como aqueles para náuseas e vômitos, para dor, para proteção do trato digestivo e outros usados em eventuais complicações, das soluções em geral (soros); dos materiais hospitalares, dos materiais de escritório, do uso de equipamentos especiais, da limpeza e da manutenção da unidade.
A indicação de uso de um medicamento antineoplásico é sempre de competência do médico assistente do doente, de acordo com protocolos de tratamento fundamentados em evidências científicas e adotados na instituição onde este médico atua. O tratamento escolhido dependerá de fatores específicos de cada caso, tais como: a evolução da doença, os tratamentos já realizados e as condições clínicas do doente.
Em resumo, são esses os passos necessários para um paciente obter medicamento para câncer no SUS:
1- O paciente é atendido por médico em hospital ou clínica isolada de quimioterapia cadastrado no SUS para atendimento de pacientes com câncer.
2- O médico avalia e prescreve o tratamento indicado, conforme as condutas adotadas nesse hospital ou clínica.
3- O paciente é submetido ao tratamento indicado, inclusive recebe do hospital ou clínica os quimioterápicos que irá tomar em casa, por via oral.
4- O médico preenche o laudo de solicitação de autorização para cobrança do procedimento no SUS e o encaminha ao gestor local, que pode ser uma secretaria municipal ou estadual de saúde.
5- O gestor autoriza a cobrança conforme as normas vigentes do Ministério da Saúde e fornece ao hospital ou clínica um número de APAC.
6- O hospital ou clínica cobra do SUS no final do mês o valor mensal do respectivo tratamento.
7- O SUS paga ao hospital ou clínica o valor tabelado relativo ao procedimento.
O que fazer quando o Plano de Saúde não paga os medicamentos necessários para o tratamento do câncer?Muitas operadoras de planos de saúde recusam-se a dar cobertura ao fornecimento de medicamentos para uso oral no domicílio, só cobrindo aqueles medicamentos que são efetivamente administrados na clínica ou hospital. A indústria farmacêutica vem disponibilizando cada vez mais quimioterápicos e hormonioterápicos de administração oral, de uso contínuo e prolongado, sendo que muitos são drogas inovadoras, de preço extremamente alto.
Assim, doentes que têm seus tratamentos de câncer custeados por operadoras de planos de saúde, ao receberem uma prescrição de medicamento de tomada oral, de alto custo, vêem-se impossibilitados de arcar com o tratamento e buscam obter estes medicamentos por financiamento público.
Nestes casos, para obter os medicamentos, estes doentes devem ser admitidos para tratamento integral em Estabelecimento de Saúde do SUS. Sendo o Sistema Único de Saúde público e de acesso universal, o atendimento aos doentes independe destes serem beneficiários de planos de saúde ou não. Porém, existem normas no SUS que devem ser observadas, como a Integralidade e a Igualdade da assistência à saúde (já explicadas acima). Isto significa que estes estabelecimentos, de modo nenhum, podem funcionar unicamente como unidades de entrega de medicamentos do SUS. Eles devem acolher os doentes e prestar a estes todos os cuidados dos quais venham necessitar.
Se desejar ser atendido em um Estabelecimento de Saúde do SUS o doente deve procurar a Secretaria Municipal ou Estadual de Saúde, do local onde reside para ser encaminhado. Se um medicamento prescrito para o tratamento do câncer ou suas conseqüências, por qualquer razão, não puder ser obtido, o médico assistente sempre deverá ser informado para que possa indicar outra modalidade terapêutica, se possível.
Quais os direitos de acesso à prestação de cuidados paliativos para um paciente do SUS fora de possibilidades terapêuticas?Segundo a Organização Mundial de Saúde, Cuidados Paliativos são aqueles que consistem na "assistência ativa e integral a pacientes cuja doença não responde mais ao tratamento curativo, sendo o principal objetivo a garantia da melhor qualidade de vida tanto para o paciente como para seus respectivos familiares. A medicina paliativa irá atuar no controle da dor e promover alívio nos demais sintomas que os pacientes possam desenvolver".
No SUS, os cuidados paliativos para doentes com câncer avançado podem ser prestados por hospitais gerais, serviços de atenção domiciliar ou mesmo núcleos de Programa de Saúde da Família, sempre apoiados por um hospital cadastrado no SUS para o tratamento de doentes de câncer. Estes hospitais devem possuir, obrigatoriamente, estrutura própria ou serviços de referência para prestação de cuidados paliativos. A prescrição e o fornecimento de opiáceos e os demais cuidados paliativos também são de responsabilidade do Estabelecimento de Saúde onde os doentes de câncer estiverem em tratamento sendo este um Centro de Alta Complexidade em Oncologia – CACON.
Existem transporte e estadia gratuitos para doentes obrigados a se tratar fora do domicílio?O pagamento de deslocamento e estadia para tratamentos fora do domicílio (TFD), no âmbito do SUS, está sob a responsabilidade dos gestores municipais e estaduais do Sistema Único de Saúde, que são as respectivas secretarias de saúde.
O Ministério da Saúde provê recursos, de forma programada e limitada a um determinado orçamento, para que os gestores executem estes pagamentos.Vale ressaltar que o pagamento das despesas relativas ao deslocamento em TFD só será permitido quando esgotados todos os meios de tratamento no próprio município.
Para solicitar este benefício os doentes devem entrar em contato com a Secretaria Municipal de Saúde de onde residem.
É possível que os doentes de câncer sejam convidados para participar de estudos clínicos ou de outros tipos de pesquisas científicas. Como é a regulamentação das pesquisas clínicas com pacientes no Brasil?Existe uma resolução do Conselho Nacional de Saúde, Resolução no196/96, que aprovou as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Toda pesquisa envolvendo seres humanos deverá ser submetida à apreciação de um Comitê de Ética em Pesquisa – CEP. As Instituições nas quais se realizam pesquisas envolvendo seres humanos deverão constituir um ou mais CEP, conforme suas necessidades. É atribuição do CEP revisar todos os protocolos de pesquisa envolvendo seres humanos, inclusive os multicêntricos, cabendo-lhe a responsabilidade primária pelas decisões sobre a ética da pesquisa a ser desenvolvida na instituição, de modo a garantir e resguardar a integridade e os direitos dos voluntários participantes nas referidas pesquisas.
Estas pesquisas podem ou não ser aprovadas. Quando aprovadas, os projetos de pesquisas devem ser encaminhados, com o devido parecer, para apreciação da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa -CONEP/MS. Esta Comissão é uma instância colegiada, de natureza consultiva, deliberativa, normativa, educativa, independente, vinculada ao Conselho Nacional de Saúde.
Compete à CONEP o exame dos aspectos éticos da pesquisa envolvendo seres humanos, bem como a adequação e atualização das normas atinentes. A CONEP consultará a sociedade sempre que julgar necessário. Todo e qualquer projeto de pesquisa envolvendo seres humanos deverá obedecer às recomendações desta Resolução e dos documentos endossados em seu preâmbulo. A responsabilidade do pesquisador é indelegável, indeclinável e compreende os aspectos éticos e legais.
Uma vez aprovado o projeto, o CEP passa a ser co-responsável no que se refere aos aspectos éticos da pesquisa.
Como essas pesquisas são financiadas?Várias são as fontes de financiamento de projetos de pesquisa, governamentais ou não: Finep, Capes, Cnen, Fundação Banco do Brasil, CNPq, agências estaduais ou municipais de fomento à pesquisa, laboratórios da indústria farmacêutica, etc. Cada agente financiador possui critérios próprios de decisão quanto à aprovação de financiamento de projetos e o valor deste financiamento. Além disso, muitos hospitais integrantes do SUS são beneficiários do FIDEPS , que tem por objetivo, entre outros, auxiliar no custeio de atividades de pesquisa.
Obviamente o financiamento de uma pesquisa por esta fontes deve abranger todos os custos, especialmente o fornecimento do medicamento alvo da pesquisa.
O que são estudos clínicos?São chamados os estudos que avaliam um novo tratamento. As pesquisas que envolvem a avaliação de um novo medicamento, necessitam passar por várias fases de teste. Existem três tipos de fases de testes nos estudos clínicos. Na primeira fase, chamada de estudo clínico de fase I, será avaliada qual deverá ser a melhor via de administração do novo medicamento (oral, venosa, intramuscular, etc), qual a dose segura a ser utilizada e qual serão os seus efeitos colaterais.
No estudo clínico de fase II avalia-se como funciona este novo medicamento, isto é qual a sua resposta ao tratamento. Estudos de fase II focam normalmente em um tipo específico de câncer.
No estudo clínico de fase III é comparado o resultado do uso do novo medicamento (combinado com outro medicamento ou isolado) com o resultado do tratamento considerado padrão. É nesta fase que se avalia cura e sobrevida. Os pacientes selecionados a participar deste tipo de estudo serão escolhidos aleatoriamente. Esta seleção de pacientes poderá por exemplo, ocorrer por sorteio, isto é, o paciente pode receber o tratamento padrão ou o tratamento novo. Este tipo de estudo envolve um grande número de pacientes e deve ser conduzido por muitos doutores, hospitais e centros de câncer..
Todos estes passos estão incluídos no conceito do que chamamos de Metodologia Científica
O que o doente deve perguntar ao médico pesquisador? Qual o objetivo do estudo?Por que o pesquisador pensa que esta pesquisa pode ser eficaz?Quem é o pesquisador responsável?Quem fez a revisão e aprovou este estudo?Como os resultados e a segurança deste estudo serão verificados?Quanto tempo irá durar este estudo?Quais serão as minhas responsabilidades se eu participar deste estudo?Quais são os possíveis riscos e benefícios?Quais são os meus possíveis benefícios de curto prazo?Quais são os meus possíveis benefícios de longo prazo?Quais são os meus riscos de curto prazo, como os efeitos colaterais?Quais são os meus possíveis riscos de longo prazo?Quais são as outras opções que pessoas com o meu risco de câncer ou tipo de câncer tem?Como os possíveis riscos e benefícios deste estudo podem ser comparados com as estas opções?
Q
uais os tipos de tratamentos, procedimentos e ou exames eu terei que fazer durante este estudo?
Poderão estes tratamentos, procedimentos e ou exames causar algum risco, prejuízo, desconforto ou dano a minha pessoa?
Como os exames deste estudo poderão ser comparados aos exames que eu faria se não estivesse neste estudo?Eu estarei apto a tomar as medicações que eu uso normalmente, enquanto eu estiver neste estudo?A minha vida do dia a dia poderá ser afetada por este estudo?Eu poderei contar para outras pessoas que eu estou participando deste estudo?Em algum momento deste estudo eu terei que pagar alguma coisa, como por exemplo exames ou o medicamento do referido estudo?Eu poderei optar por sair do estudo?Espero que tenham ajudado a vocês sobre Câncer

Gravidez melhora a aparência, saúde e até os orgasmos da mulher


Parece que quando a gravidez acontece tudo fica lindo: "A maioria das gestantes acha a vida mais bonita enquanto gestam. Tudo fica tudo mais colorido, mais florido, até a chuva cai mais bonita", brinca o ginecologista Augusto Bussab, especialista em reprodução humana. Mas brincadeiras a parte, muitas mulheres acabam encarando a gravidez como algo que pode acabar com seu corpo.

De fato, se não forem tomados os cuidados necessários, estrias, celulites e flacidez podem dar as caras após o parto. "A atividade física constante, mesmo antes da gestação, ajuda a evitar isso", considera o especialista. Muitas vezes também a mulher pode se sentir mais desengonçada durante a gestação, principalmente pelo crescimento da barriga.

Mas muitas mulheres esquecem que sintomas positivos também aparecem na gestação. Ela pode, inclusive, melhorar sua aparência e sua vida sexual. Se você está grávida e não consegue se sentir bonita ou torce o nariz para a gravidez, confira algumas transformações positivas desse período para sua saúde e autoestima!

Proteção reforçada contra doenças

Pode ficar animada, depois de engravidar, é normal que a porcentagem de incidência de algumas doenças caia. "As chances se reduzem, mas é importante ressaltar que elas não acabam", alerta o ginecologista Fábio Rosito, especialista em Ginecologia e Obstetrícia do laboratório SalomãoZoppi Diagnósticos. Na lista estão alguns problemas importantes. "Uma paciente que nunca engravidou tem mais riscos de câncer de endométrio. Além disso, a amamentação ajuda a reduzir as chances de câncer de mama", explica o ginecologista Augusto Bussab, especialista em reprodução humana.

É muito comum que na gestação alguns problemas se reduzam. "Algumas doenças com fundo imunológico tendem a se acalmar, como doenças reumáticas, inflamatórias articulares, entre outras. Mas depois do parto ela voltam ao normal", ensina Rosito. 
Grávida deitada com cabelos soltos - Foto: Getty Images

Unhas e cabelos mais fortes

Muitas mulheres afirmam estar com os cabelos e unhas mais fortes! "Durante a gestação o aumento dos hormônios faz com que a maioria dos folículos capilares permaneçam na fase anágena (de crescimento), sendo assim a mulher percebe um aumento do volume do cabelo e nota que eles caem em pouca quantidade", comenta o obstetra Alan Hatanaka, especialista em Medicina Fetal pela UNIFESP. Além disso, há uma aceleração do metabolismo, o que contribuí com seus fios e suas garras! A oleosidade que ocorre nessa época também deixa o cabelo mais viçoso e brilhante.

Porém, algumas mulheres podem apresentar o efeito contrário. "Muitas vezes um hormônio que tem uma função específica pode trazer resultados opostos, dependendo do organismo da pessoa", comenta Bussab. Portanto, pode ser que você perceba uma leve queda nos cabelos também.
Grávida vaidosa - Foto: Getty Images

Aparência jovem

Muita gente pode comentar que você parece mais jovial! A explicação se deve a tal da retenção de líquidos, que causa um inchaço geral no corpo. "O hormônio estrógeno também enriquece o colágeno, o que dá uma sensação de pele mais viçosa", lembra Rosito.

Para completar, a oleosidade aumenta nessa época, e ela também dá a impressão de uma pele mais preenchida. "Isso ocorre porque o hormônio feminino pode ser convertido em testosterona, que ativa as glândulas sebáceas, fazendo com elas produzam o óleo da nossa pele e cabelos. Como há muito mais dele circulando pelo corpo, acaba havendo uma conversão hormonal maior, e mais testosterona circula no corpo da mulher", ensina o especialista.
Grávida verirficando os seios - Getty Images

Aumento dos seios

Pois é, as mamas aumentam, e muito se engana quem pensa que a culpa é apenas da amamentação, a retenção de líquidos também é responsável. "Elas ficam mais cheias e elevadas, como se estivessem inchadas mesmo, o que as deixa mais bonitas. Isso pode ser importante para a autoestima da mulher, que se sente mais atrativa em uma época em que ela pode achar que está ficando feia pelo aumento de peso", explica Bussab. Muitas vezes esse é inclusive o primeiro sinal que as mulheres percebem da gravidez! E pode aproveitar esses nove meses para abusar dos decotes! O problema é que depois da amamentação, eles reduzem de tamanho muito rapidamente, o que acaba causando uma pequena flacidez.
Sexo durante a gravidez - Foto: Getty Images

Aumento da libido e dos orgasmos

Lembram-se do estrógeno, que como aumenta no corpo acaba convertido em mais testosterona? Pois é, acontece o hormônio típico do corpo masculino também é responsável pelo aumento da libido. "Ele é usado para tratar a anorgasmia, por exemplo", explica Rosito. Resultado: seu desejo sexual pode ficar em alta durante a gestação, principalmente no segundo trimestre da gravidez.

Outro motivo para curtir bastante é que a vagina da gestante fica muito mais sensível. "Com a preparação para o parto, toda região pélvica fica mais irrigada com sangue, inclusive o clitóris", ensina Rosito. Portanto a lubrificação pode ser maior e fica muito mais fácil alcançar o orgasmo, inclusive um múltiplo. E essa é a melhor fase para aproveitar, ainda mais quando a barriga ainda não está gigante. Que tal fazer o teste? Confira algumas posições confortáveis para sexo na gravidez.
Grávida de bem com a vida - Foto: Getty Images

Sem TPM ou menstruação

Muitas grávidas consideram que um dos melhores benefícios do período é a interrupção do ciclo menstrual. Ou seja, são nove meses livre da menstruação e dos sintomas incômodos, como a irritação e tristeza da tensão pré-menstrual (TPM). Tem coisa melhor? Isso porque a menstruação significa que não houve fecundação naquele mês, apesar do corpo ter se preparado para isso. "É muito comum a mulher desejar não menstruar no pós-parto. Isto porque antes da gestação a menstruação está associada a ideia de fertilidade. Após o parto este conceito já não tem mais valor", comenta o obstetra Hatanaka. A sorte é que dá até para prolongar esse efeito depois, já que atualmente você não precisa necessariamente menstruar quando usa anticoncepcionais, que além de suspender o sangramento, acabam com outros sintomas. "Eles podem resolver a retenção de líquido e as variações de humor típicas da TPM, mas em raras situações podem ocorrer escapes e sair um pouco de sangue", alerta Bussab.
Grávida dormindo - Foto: Getty Images

Sono melhor

É muito comum que seu sono aumente durante a gravidez. No primeiro trimestre é o período em que isso mais acontece. "É quando o bebê está se formando, o que gera um consumo maior de energia, por isso é importante dormir bem, para poupar um pouco o próprio consumo de energia da mulher", explica Rosito. Mas, ao longo da gestação, essa necessidade de dormir mais continua!

O problema é que conforme a barriga cresce, fica mais difícil achar uma posição confortável. A melhor forma de dormir é de lado, principalmente do lado esquerdo. "A veia cava, que leva o sangue dos membros inferiores de volta ao coração, passa do lado direito do corpo, e deitar-se desse lado faz com que o bebê a comprima, prejudicando a circulação", explica Bussab. Ficar em uma posição quase sentada também é uma boa ideia, utilizando uma cadeira reclinável.
Grávida comendo morangos - Fot: Getty Images

Sabores mais apurados

Por fim, nem mesmo a comida da sua mãe, que você passou a vida comendo, terá o mesmo sabor. "Itens que a gravida não comia de jeito nenhum vão parecer atrativas, e pratos que ela adorava podem se tornar insuportáveis", comenta Rosito. A explicação está, na verdade, na mudança do olfato, que tem influência direta no paladar. "Isso é explicável pela irrigação maior das mucosas, o que gera inclusive uma maior intolerância a certos cheiros, como perfumes, por exemplo", pontua o especialista. É por isso que alguns odores podem causar enjoos no primeiro trimestre e ao longo da gravidez como um todo.
Grávida em consulta médica - Foto: Getty Images

28 de ago de 2013

Dica de esmalte de hoje *

Esmalte: Confiança, e o que Ester da novela estava usando ontem Confiança – Laranja vivo. Ótima pedida para o verão. Já que no nordeste é sempre verão o ano todo mas tá ai a minha dica pra esse verão obrigada e um belo dia*

Estilo | Grazi Massafera em Flor do Caribe


A personagem de Grazi Massafera em Flor do Caribe, Ester, tem um figurino bem despojado e feminino com cores bem tropicais como o amarelo, laranja, vermelho e rosa, e estilo que remente a região praiana onde se passa a novela.
As peças principais são os vestidos curtos com aplicações de renda, shorts bem curtinhos com regatas de renda artesanal, e muito biquíni como já deu pra perceber né?


Espero que tenham gostado é muito lindo os look dela na novela*

Mas um video do meu pequeno *

Esse é meu gatinho dengoso, e teimoso mas e um pedaço de fofura mas gostosa de comer meu doce de coco*

Look do dia para os gatinhos*

Para os gatinho esse conjunto de blusa e short super confortável

Meu Samuka vendo Tv e sua capa de super herói

Meu super herói vendo televisão meu gatinho teimoso que agente fala,fala e nada

27 de ago de 2013

Mas um video de meu filhote*

Meu repolho é um cantador de primeira, mas um ,mas um

Toda mãe tinha que ter super poderes*

Toda mamãe tinha que te super poderes ou pelo menos 100 olhos e oito braços pro seus filho , porque toda hora agente tem que vê se eles não estão fazendo besteiras ou querendo algumas coisa ou se esta tudo bem fazer as coisas de casa ainda, trabalha é muita coisa mesmo por isso dedico essa musica a todas as mamãe que são poderosas  um belo dia e tudo de alegria&

Look do dia para as meninas*

Para as princesinhas esse vestido infantil com silk , espero que tenham gostado*

20 mitos e verdades


SAÚDE! reuniu algumas das dúvidas mais freqüentes sobre alimentação da garotada e, para acabar de vez com elas, pediu ajuda a alguns dos melhores especialistas no assunto


por Beth Fernandes


Página 1 de 2
1. Suco de beterraba acaba com anemia?
Não. Uma xícara de beterraba ralada possui, pasme, apenas 0,8 miligrama de ferro. “A criança anêmica tem que consumir todo santo dia 5 miligramas do mineral para cada quilo de peso, durante três meses”, explica o pediatra Ary Lopes Cardoso, do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, de São Paulo. Já um bife pequeno de fígado tem, em média, 8,5 miligramas desse nutriente.

2. Posso colocar todos os dias um bolinho desses comprados prontos na lancheira do meu filho?
Se for sem recheio nem cobertura, vá em frente. “Eles são ótimas fontes de carboidratos”, afirma a nutricionista Priscila Maximino, da Nutrociência, em São Paulo. Mas, se pertencer à categoria dos recheados, a coisa muda de figura. Para obter a consistência cremosa, os recheios são produzidos com gordura hidrogenada, verdadeiro veneno. Em altas quantidades, leva à obesidade e ao aumento do colesterol (sim, criança também pode acumular essa substância nas artérias). Para variar, experimente substituir os bolos por bolachas salgadas ou um sanduíche.

3. Crianças de qualquer idade podem comer frutos do mar?
“De jeito nenhum. Por uma questão de segurança, espere que complete 2 anos”, orienta Priscila Maximino. Os principais riscos são a intoxicação alimentar e as alergias. É bem verdade que cozinhar ou assar esse tipo de alimento diminui o perigo, mas, como seguro morreu de velho, é melhor evitar.

4. Café faz mal para os baixinhos?
A bebida não é das mais indicadas, porque a cafeína pode deixar a criança agitada. “Porém, uma xícara pequena de café puro por dia não faz mal a ninguém”, afirma Ary Lopes, para alívio das mães que não abrem mão do pretinho misturado com o leite. Se você já ouviu dizer que ele prejudica a absorção de cálcio, saiba que não há razão para se preocupar. “A quantidade de cafeína presente em um copo de café com leite é tão pequena que não interfere na retenção do mineral pelo organismo”, esclarece o nutrólogo e pediatra Mauro Fisberg, da Universidade São Marcos, em São Paulo.

5. O leite de soja pode substituir o de vaca?
“Sim, se o problema for intolerância à lactose”, explica Renata Cocco, pediatra da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Se não, o de vaca é melhor, porque tem mais cálcio.” É bom saber, ainda, que um grupo de proteínas do leite de vaca, as caseínas, pode provocar reações como urticária. Por isso, em caso de dúvida, consulte o pediatra. Só ele pode pode recomendar o tipo de leite mais adequado para a sua criança.

6. Meu filho adora peixe cru. Tudo bem?
Acima de 2 anos, tudo bem. “Para não arriscar, só vá a restaurantes impecáveis no que se refere à higiene”, recomenda Ary Lopes. Caso a preferência recaia sobre o salmão — que andou na berlinda como agente da difilobotríase (doença que provoca dor abdominal, náuseas e vômitos) —, cheque se foi previamente congelado a 21 graus e se o estabelecimento tem o certificado sanitário, que garante a procedência e a qualidade do pescado.

7. Alimentos com corantes causam alergia?
A resposta é não para a grande maioria dos baixinhos. Além dos corantes, os espessantes e os conservantes, encontrados nos produtos industrializados, também são mal-afamados. “Mas testes comprovam que apenas 5% dessas substâncias estão relacionadas a crises alérgicas”, revela a pediatra Renata Cocco. “Já os alérgicos ao ácido acetilsalicílico, componente da aspirina, precisam tomar cuidado, porque tendem a apresentar reações aditivos alimentares.”

8. A carne vermelha é essencial para a criança crescer saudável?
“Sim, ela é uma importante fonte de proteínas, gordura, ferro e zinco”, confirma a médica Roseli Sarni, presidente do departamento científico de nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. Contra anemia, ela é imbatível. Está lotada do chamado ferro-heme, ou ferro orgânico, que é muito mais bem aproveitado pelo corpo do que o mineral presente nos vegetais. Segundo a especialista, a anemia afeta mais de 40% das crianças em idade pré-escolar no Brasil. Por isso a carne vermelha deve ser consumida ao menos três vezes por semana, de preferência acompanhado de uma fonte de vitamina C, como a laranja, para aumentar a absorção do ferro. O frango e o peixe são bons substitutos, mas, fique sabendo, não contêm a mesma concentração do tal ferro-heme.

9. Refrigerante diet e guloseimas adoçadas artificialmente devem ser evitados?
"Não há nenhum componente nesses produtos que seja comprovadamente nocivo à saúde”, afirma a pediatra Renata Cocco. Nenhum estudo concluiu, por exemplo, que aspartame faça mal ao organismo dos pequenos.“Mas, por serem artificiais, recomendamos que esses alimentos sejam consumidos só quando realmente há necessidade", explica a pediatra.

10. Gemada é capaz de dar pique?
Ela foi a queridinha das mães zelosas até alguns anos atrás. Não é mais, até porque nem mesmo os especialistas a recomendam. “O ovo cru pode estar contaminado com salmonela”, adverte a nutricionista infantil Suzy Graff, de São Paulo. “A bactéria pode provocar diarréia, vômito ou até levar à morte.” Infelizmente, ovos de diversas marcas podem estar contaminados por causa de higiene e refrigeração deficientes. Como é quase impossível saber quais têm condições de consumo, o mais seguro é fritá-los ou, melhor ainda, cozinhá-los.

Página 2 de 2
11. É verdade que alimentos crus e duros ajudam a desenvolver a musculatura da boca?
“Sim, eles estimulam a mastigação, fortalecendo os músculos e facilitando a fala”, diz Renata Cocco. Quando introduzir a sopa na dieta do bebê, em vez de bater os ingredientes no liquidificador, experimente passá-los na peneira. Depois que seu filho estiver mais crescido, amasse os alimentos com um garfo para que possam ser mastigados. E, assim que alguns dentes tiverem nascido, ofereça alimentos crus, como a cenoura e a maçã, em pequenos pedaços — esta última dica, aliás, vale para todo o resto da infância e a adolescência.

12. Leite fermentado ajuda a combater a diarréia?
“Sim, os lactobacilos presentes no leite fermentado competem com as bactérias nocivas no organismo, modificando e colonizando a flora intestinal com germes benéficos”, informa o nutrólogo Mauro Fisberg, de São Paulo. Assim, o consumo desse tipo de bebida pode abreviar a duração da diarréia. Se o problema persistir, procure o pediatra.

13. Jantar muito tarde provoca sono agitado?
A chance de isso acontecer é grande, principalmente se a refeição for rica em gordura, que leva mais tempo para ser digerida, e a criança for para a cama logo depois de comer. Durante o sono, o organismo funciona mais lentamente e isso inclui a digestão. O estômago, então, fica mais pesado e chega a incomodar. “Já uma refeição com baixo teor de gordura leva pelo menos duas horas para ser digerida”, afirma Ary Lopes Cardoso. “Após esse período a criança pode se deitar tranqüilamente”, completa o médico.

14. O que a mãe deve observar no rótulo – o índice de gordura ou o de sódio?
Os dois. Não há uma dosagem máxima recomendada por produto — e, se houvesse, ela seria diferente conforme a idade. Mesmo assim é bom ficar de olho nesses ingredientes. A gordura, lembre-se sempre, não pode fornecer mais do que 30% das calorias diárias consumidas pela criança. Não precisa ficar fazendo conta a toda hora: basta usar o bom senso e, se oferecer algo com teor de gordura nas alturas ao seu filho, cuidar para que o restante do cardápio daquele dia seja mais leve. Para o sódio, vale o mesmo raciocínio, lembrando que até 12% da meninada entre 6 e 18 anos é hipertensa — e aí o excesso de sal, já sabe… Vale conversar com o pediatra sobre o assunto, afastar essa hipótese e pedir uma orientação sobre o consumo diário de sal adequado para o seu filho.

15. É melhor comer frutas com ou sem casca?
“O mais indicado é consumi-las com casca, quando possível, porque ela é uma ótima fonte de fibras”, garante Fábio Ancona Lopes, especialista em nutrição infantil da Unifesp. Mas enfatiza: as frutas devem ser muito bem lavadas em água corrente e com a ajuda de uma escovinha, para que fiquem livres de resíduos de agrotóxicos, substâncias extremamente prejudiciais.

16. Os macarrões instantâneos são liberados?
“A massa em si não faz mal nenhum, pois é uma excelente fonte de carboidratos”, afirma a médica Roseli Sarni. O problema está no condimento que dá sabor e faz com que o prato seja um dos preferidos da garotada. “Além de ser um tempero artificial, ele contém grande quantidade de sódio, que leva ao aumento da pressão e à retenção de água.” Em outras palavras, poder pode, mas só de vez em quando.

17. Vale a pena incluir aqueles pós multivitaminados na alimentação dos meus filhos?
“Esses pós devem ser ingeridos como complementos da alimentação só se a criança apresentar déficit de nutrientes ou estiver abaixo do peso.”, diz Mauro Fisberg. Eles são indicados principalmente quando é necessário aumentar o aporte de calorias, vitaminas ou sais minerais no organismo. O ideal é que esse tipo de suplemento seja utilizado sob a orientação de um nutricionista, já que é muito calórico.

18. As informações estampadas nas embalagens se referem às necessidades nutricionais de crianças ou de adultos?
“Em geral elas se referem às necessidades dos adultos, exceto quando os produtos são dirigidos ao público infantil”, esclarece Fábio Ancona Lopes. “O importante é saber que cada idade requer tipos e quantidades específicos de nutrientes”, completa. E as recomendações mais indicadas para cada faixa só o especialista pode fazer. Moral da história: vale olhar o rótulo? Até vale, mas apenas para ter uma leve referência quando o consumidor é uma criança.

19. Sopas prontas substituem uma refeição?
“De jeito nenhum. A quantidade de fibras e nutrientes presente nesses produtos é muito pequena”, diz categoricamente a nutricionista Priscila Maximino. Sem falar no alto teor de sódio. Se numa hora de aperto você precisar recorrer à praticidade desse tipo de refeição, trate de complementá-la com uma porção de carne, outra de legumes e uma fruta. Lembre-se: nada como a velha e boa sopa caseira, preparada com ingredientes fresquinhos.

20. Quantas vezes por semana doces e refrigerantes podem entrar no cardápio?
Depende. “Se a criança estiver acima do peso, ofereça duas porções de desses itens por semana”, recomenda a nutricionista Priscila Maximino. Mas, se ela não vive em pé de guerra com a balança, três porções semanais estão de bom tamanho. “Esses alimentos devem ser oferecidos com muito mais parcimônia em caso de colesterol ou triglicérides altos ou mesmo hipertensão”, completa.

Selinhos !

Olá meninas, como vocês estão ?
Recebi 2 selinhos da querida Desiree  fiquei super feliz por ter lembrado de mim, Obrigadaaaa querida!




Como ela me mandou os dois juntos e eles tem as mesmas regras, enviarei da mesma forma.


As regrinhas são as seguintes:

* agradecer a pessoa que te indicou e colocar o link dela
* escolher 7 blogs com menos de 200 seguidores
* avisar aos blogs indicados
* escrever 7 coisas que você gosta
 7 coisas que eu gosto :
Viajar
shop 
sorvete
chocolate
roupa 
shampoo
Meu filhote e Deus sem ele agente não é nada*
 7 Blogs :
Blog da Nanda
          Blog da Dani
           Gravida aos de 17
          Isaac
          Mãe da Lulu
          Santa e Feminina*
 
 

26 de ago de 2013

Criança bebendo café agita mas ela?

A cafeína faz mal para o bebê?

Uma dose pequena de cafeína (como num copo de refrigerante, uma xícara de café ou de chá por dia) não vai afetar nem mãe nem bebê, mas uma quantidade maior que essa pode deixar você, ele ou vocês dois agitados, irritados ou com dificuldade para dormir.

Vale lembrar que a sensibilidade de cada pessoa à cafeína varia muito. Você ou seu bebê podem ficar mais agitados com uma pequena dose, ou ser mais resistentes.

Se você não consegue viver sem um café, faça o máximo esforço para tomar pelo menos oito copos de água por dia (algo que é essencial para quem está amamentando, tomando cafeína ou não).

Caso você observe que seu bebê está agitado, irritado ou com dificuldade de dormir, experimente passar alguns dias sem tomar bebidas com cafeína para ver se a situação melhora. Se melhorar, vale a pena fazer o sacrifício e cortar a cafeína por um tempo.
O meu eu não sei só não gosto que ele beba pura porque não quero que tenha problemas no futuro

Meu docinho de coco

Meu doce de coco que esta me deixando doida mamãe te ama meu filhote*

25 de ago de 2013

Look do dia é essa camisa que ele mesmo escolheu na Marisa

Um belo dia e tudo de alegria*


24 de ago de 2013

É hoje

Não se esqueça é hoje