7 de out de 2013

Crianças e suas birras*

As crianças acham que podem fazer tudo não tem seus limites e quando agente corta suas asas e vem com essas birras, chata tudo podem ,não é bem assim não sei se gente é uma mãe ou se torna uma mãe chata autoritária   velha ,mas agente só que o bem deles eles não entende muito eu acho que como ele já tem 3 anos já era pra entende mas parece que não escuta eu já era meio chata e me tornei uma velha chata e briguenta não queria se assim uma mãe chata mas se agente não for assim não quero se uma mãe velha e rabugenta ,agente tem que aproveita enquanto eles são pequenos depois nem vai querer saber da gente quando crescer 
Não é fácil conviver com uma pessoa rabugenta que reclama de tudo e nunca tem tempo para um sorriso ou uma brincadeira. Se ela é mãe, pior ainda porque normalmente elas têm o poder de transformar o ambiente, com bons ou maus sentimentos. Quem nunca ficou triste ao perceber que a mãe não estava bem? Demonstrar isso uma vez ou outra tudo bem... Ninguém é de ferro, nem as mamães. Mas tornar isso um hábito não é legal. As crianças crescem rápido e as fases delas passam voando. Aprender a andar, a brincar, conhecer os amiguinhos, fazer juntos as atividades da escola... Todos esses momentos são bons para fazer os laços de amizade e amor se tornarem bem fortes.

Os problemas do dia a dia e até os afazeres de casa não deveriam refletir na convivência que se tem com os filhos ou até com os enteados. Um texto que circula na internet diz algo que me fez pensar muito sobre como eu quero que os meus filhos lembrem-se de mim: "...As coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe doem para sempre". E acredito que seja verdade.

Mas o que podemos fazer para ter uma rotina em casa e mesmo assim ser amigas de nossos filhos?

1- Fazer um planejamento da organização da casa. Isso pode facilitar na hora de fazer atividades em conjunto. Um planejamento semanal com as prioridades do lar sempre ajuda. Afinal de contas limpar as vidraças de casa toda a semana não é algo necessário.

2- Incluí-los nos afazeres. As crianças podem e devem ajudar em casa. É uma forma de estar presente e ensiná-las a dar valor ao seu trabalho. Elas podem ser responsáveis por pequenas tarefas como guardar os brinquedos, lavar a louça do lanche, tirar o pó dos móveis, limpar a pia do banheiro, recolher o lixo, entre outros. Tudo depende muito da idade do filho e, com certeza, uma mãe consegue distinguir o que ele consegue ou não fazer.

3- Pedir ajuda. O jornalista Marcelo Tas falou algo muito interessante sobre a convivência com crianças. “Nenhuma criança gosta de receber ordem de um adulto, mas todas adoram fazer coisas do mundo dos adultos. Sempre que você puder incluir uma criança em algo da sua rotina, experimente dizer a palavra mágica. Pode até mesmo ser uma tarefa doméstica chata, como lavar os pratos ou varrer a calçada. Imediatamente você perceberá o poder da palavra “ajudar”. 

 “Alguém aí pode me ajudar a dar um banho nesse cachorro?” Pode testar. É instantâneo. Não é difícil entender esse poder mágico. O encanto reside na diferença entre pedir ou mandar e... Compartilhar. Quando você convida uma criança a “ajudar”, você oferece a ela duas coisas preciosas: o mundo adulto e o seu tempo”.

4- Separar um tempo para brincar. Arrumar, limpar, ir ao mercado ou à feira, ou fazer o relatório que você trouxe do trabalho para casa são coisas que podem ser feitas em outro momento. Não dá para deixar as crianças crescerem com uma presença maquiada da mãe. Dar atenção a uma brincadeira, a um sorriso ou ao choro é uma forma de mostrar segurança e amor a eles.

5- Mudar. Talvez a lembrança que você tenha da sua mãe não a estimule muito com essas inovações em casa. O importante é saber que nossos pais cresceram em outra época e que também tiveram uma criação diferente, de um período mais antigo ainda. Pensando assim é mais fácil dar o primeiro passo e deixar que a criança que vive dentro de você possa acompanhar as crianças que estão na sala da sua casa esperando por um pouco da sua atenção.

O importante é fazer esse tempo valer a pena e dar aos filhos as melhores lembranças da infância: uma família alegre e presente. - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpufComo ser uma dona de casa e mãe mais amigável com as crianças
Como ser uma dona de casa e mãe mais amigável com as crianças - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
omo ser uma dona de casa e mãe mais amigável com as crianças - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
omo ser uma dona de casa e mãe mais amigável com as crianças - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
Não é fácil conviver com uma pessoa rabugenta que reclama de tudo e nunca tem tempo para um sorriso ou uma brincadeira. Se ela é mãe, pior ainda porque normalmente elas têm o poder de transformar o ambiente, com bons ou maus sentimentos. Quem nunca ficou triste ao perceber que a mãe não estava bem? Demonstrar isso uma vez ou outra tudo bem... Ninguém é de ferro, nem as mamães. Mas tornar isso um hábito não é legal. As crianças crescem rápido e as fases delas passam voando. Aprender a andar, a brincar, conhecer os amiguinhos, fazer juntos as atividades da escola... Todos esses momentos são bons para fazer os laços de amizade e amor se tornarem bem fortes.

Os problemas do dia a dia e até os afazeres de casa não deveriam refletir na convivência que se tem com os filhos ou até com os enteados. Um texto que circula na internet diz algo que me fez pensar muito sobre como eu quero que os meus filhos lembrem-se de mim: "...As coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe doem para sempre". E acredito que seja verdade.

Mas o que podemos fazer para ter uma rotina em casa e mesmo assim ser amigas de nossos filhos?

1- Fazer um planejamento da organização da casa. Isso pode facilitar na hora de fazer atividades em conjunto. Um planejamento semanal com as prioridades do lar sempre ajuda. Afinal de contas limpar as vidraças de casa toda a semana não é algo necessário.

2- Incluí-los nos afazeres. As crianças podem e devem ajudar em casa. É uma forma de estar presente e ensiná-las a dar valor ao seu trabalho. Elas podem ser responsáveis por pequenas tarefas como guardar os brinquedos, lavar a louça do lanche, tirar o pó dos móveis, limpar a pia do banheiro, recolher o lixo, entre outros. Tudo depende muito da idade do filho e, com certeza, uma mãe consegue distinguir o que ele consegue ou não fazer.

3- Pedir ajuda. O jornalista Marcelo Tas falou algo muito interessante sobre a convivência com crianças. “Nenhuma criança gosta de receber ordem de um adulto, mas todas adoram fazer coisas do mundo dos adultos. Sempre que você puder incluir uma criança em algo da sua rotina, experimente dizer a palavra mágica. Pode até mesmo ser uma tarefa doméstica chata, como lavar os pratos ou varrer a calçada. Imediatamente você perceberá o poder da palavra “ajudar”. 

 “Alguém aí pode me ajudar a dar um banho nesse cachorro?” Pode testar. É instantâneo. Não é difícil entender esse poder mágico. O encanto reside na diferença entre pedir ou mandar e... Compartilhar. Quando você convida uma criança a “ajudar”, você oferece a ela duas coisas preciosas: o mundo adulto e o seu tempo”.

4- Separar um tempo para brincar. Arrumar, limpar, ir ao mercado ou à feira, ou fazer o relatório que você trouxe do trabalho para casa são coisas que podem ser feitas em outro momento. Não dá para deixar as crianças crescerem com uma presença maquiada da mãe. Dar atenção a uma brincadeira, a um sorriso ou ao choro é uma forma de mostrar segurança e amor a eles.

5- Mudar. Talvez a lembrança que você tenha da sua mãe não a estimule muito com essas inovações em casa. O importante é saber que nossos pais cresceram em outra época e que também tiveram uma criação diferente, de um período mais antigo ainda. Pensando assim é mais fácil dar o primeiro passo e deixar que a criança que vive dentro de você possa acompanhar as crianças que estão na sala da sua casa esperando por um pouco da sua atenção.

O importante é fazer esse tempo valer a pena e dar aos filhos as melhores lembranças da infância: uma família alegre e presente. - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
Como ser uma dona de casa e mãe mais amigável com as crianças - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
Como ser uma dona de casa e mãe mais amigável com as crianças - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
Como ser uma dona de casa e mãe mais amigável com as crianças
Não é fácil conviver com uma pessoa rabugenta que reclama de tudo e nunca tem tempo para um sorriso ou uma brincadeira. Se ela é mãe, pior ainda porque normalmente elas têm o poder de transformar o ambiente, com bons ou maus sentimentos. Quem nunca ficou triste ao perceber que a mãe não estava bem? Demonstrar isso uma vez ou outra tudo bem... Ninguém é de ferro, nem as mamães. Mas tornar isso um hábito não é legal. As crianças crescem rápido e as fases delas passam voando. Aprender a andar, a brincar, conhecer os amiguinhos, fazer juntos as atividades da escola... Todos esses momentos são bons para fazer os laços de amizade e amor se tornarem bem fortes.

Os problemas do dia a dia e até os afazeres de casa não deveriam refletir na convivência que se tem com os filhos ou até com os enteados. Um texto que circula na internet diz algo que me fez pensar muito sobre como eu quero que os meus filhos lembrem-se de mim: "...As coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe doem para sempre". E acredito que seja verdade.

Mas o que podemos fazer para ter uma rotina em casa e mesmo assim ser amigas de nossos filhos?

1- Fazer um planejamento da organização da casa. Isso pode facilitar na hora de fazer atividades em conjunto. Um planejamento semanal com as prioridades do lar sempre ajuda. Afinal de contas limpar as vidraças de casa toda a semana não é algo necessário.

2- Incluí-los nos afazeres. As crianças podem e devem ajudar em casa. É uma forma de estar presente e ensiná-las a dar valor ao seu trabalho. Elas podem ser responsáveis por pequenas tarefas como guardar os brinquedos, lavar a louça do lanche, tirar o pó dos móveis, limpar a pia do banheiro, recolher o lixo, entre outros. Tudo depende muito da idade do filho e, com certeza, uma mãe consegue distinguir o que ele consegue ou não fazer.

3- Pedir ajuda. O jornalista Marcelo Tas falou algo muito interessante sobre a convivência com crianças. “Nenhuma criança gosta de receber ordem de um adulto, mas todas adoram fazer coisas do mundo dos adultos. Sempre que você puder incluir uma criança em algo da sua rotina, experimente dizer a palavra mágica. Pode até mesmo ser uma tarefa doméstica chata, como lavar os pratos ou varrer a calçada. Imediatamente você perceberá o poder da palavra “ajudar”. 

 “Alguém aí pode me ajudar a dar um banho nesse cachorro?” Pode testar. É instantâneo. Não é difícil entender esse poder mágico. O encanto reside na diferença entre pedir ou mandar e... Compartilhar. Quando você convida uma criança a “ajudar”, você oferece a ela duas coisas preciosas: o mundo adulto e o seu tempo”.

4- Separar um tempo para brincar. Arrumar, limpar, ir ao mercado ou à feira, ou fazer o relatório que você trouxe do trabalho para casa são coisas que podem ser feitas em outro momento. Não dá para deixar as crianças crescerem com uma presença maquiada da mãe. Dar atenção a uma brincadeira, a um sorriso ou ao choro é uma forma de mostrar segurança e amor a eles.

5- Mudar. Talvez a lembrança que você tenha da sua mãe não a estimule muito com essas inovações em casa. O importante é saber que nossos pais cresceram em outra época e que também tiveram uma criação diferente, de um período mais antigo ainda. Pensando assim é mais fácil dar o primeiro passo e deixar que a criança que vive dentro de você possa acompanhar as crianças que estão na sala da sua casa esperando por um pouco da sua atenção.

O importante é fazer esse tempo valer a pena e dar aos filhos as melhores lembranças da infância: uma família alegre e presente - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
Não é fácil conviver com uma pessoa rabugenta que reclama de tudo e nunca tem tempo para um sorriso ou uma brincadeira. Se ela é mãe, pior ainda porque normalmente elas têm o poder de transformar o ambiente, com bons ou maus sentimentos. Quem nunca ficou triste ao perceber que a mãe não estava bem? Demonstrar isso uma vez ou outra tudo bem... Ninguém é de ferro, nem as mamães. Mas tornar isso um hábito não é legal. As crianças crescem rápido e as fases delas passam voando. Aprender a andar, a brincar, conhecer os amiguinhos, fazer juntos as atividades da escola... Todos esses momentos são bons para fazer os laços de amizade e amor se tornarem bem fortes.

Os problemas do dia a dia e até os afazeres de casa não deveriam refletir na convivência que se tem com os filhos ou até com os enteados. Um texto que circula na internet diz algo que me fez pensar muito sobre como eu quero que os meus filhos lembrem-se de mim: "...As coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe doem para sempre". E acredito que seja verdade.

Mas o que podemos fazer para ter uma rotina em casa e mesmo assim ser amigas de nossos filhos?

1- Fazer um planejamento da organização da casa. Isso pode facilitar na hora de fazer atividades em conjunto. Um planejamento semanal com as prioridades do lar sempre ajuda. Afinal de contas limpar as vidraças de casa toda a semana não é algo necessário.

2- Incluí-los nos afazeres. As crianças podem e devem ajudar em casa. É uma forma de estar presente e ensiná-las a dar valor ao seu trabalho. Elas podem ser responsáveis por pequenas tarefas como guardar os brinquedos, lavar a louça do lanche, tirar o pó dos móveis, limpar a pia do banheiro, recolher o lixo, entre outros. Tudo depende muito da idade do filho e, com certeza, uma mãe consegue distinguir o que ele consegue ou não fazer.

3- Pedir ajuda. O jornalista Marcelo Tas falou algo muito interessante sobre a convivência com crianças. “Nenhuma criança gosta de receber ordem de um adulto, mas todas adoram fazer coisas do mundo dos adultos. Sempre que você puder incluir uma criança em algo da sua rotina, experimente dizer a palavra mágica. Pode até mesmo ser uma tarefa doméstica chata, como lavar os pratos ou varrer a calçada. Imediatamente você perceberá o poder da palavra “ajudar”. 

 “Alguém aí pode me ajudar a dar um banho nesse cachorro?” Pode testar. É instantâneo. Não é difícil entender esse poder mágico. O encanto reside na diferença entre pedir ou mandar e... Compartilhar. Quando você convida uma criança a “ajudar”, você oferece a ela duas coisas preciosas: o mundo adulto e o seu tempo”.

4- Separar um tempo para brincar. Arrumar, limpar, ir ao mercado ou à feira, ou fazer o relatório que você trouxe do trabalho para casa são coisas que podem ser feitas em outro momento. Não dá para deixar as crianças crescerem com uma presença maquiada da mãe. Dar atenção a uma brincadeira, a um sorriso ou ao choro é uma forma de mostrar segurança e amor a eles.

5- Mudar. Talvez a lembrança que você tenha da sua mãe não a estimule muito com essas inovações em casa. O importante é saber que nossos pais cresceram em outra época e que também tiveram uma criação diferente, de um período mais antigo ainda. Pensando assim é mais fácil dar o primeiro passo e deixar que a criança que vive dentro de você possa acompanhar as crianças que estão na sala da sua casa esperando por um pouco da sua atenção.

O importante é fazer esse tempo valer a pena e dar aos filhos as melhores lembranças da infância: uma família alegre e presente. - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
Não é fácil conviver com uma pessoa rabugenta que reclama de tudo e nunca tem tempo para um sorriso ou uma brincadeira. Se ela é mãe, pior ainda porque normalmente elas têm o poder de transformar o ambiente, com bons ou maus sentimentos. Quem nunca ficou triste ao perceber que a mãe não estava bem? Demonstrar isso uma vez ou outra tudo bem... Ninguém é de ferro, nem as mamães. Mas tornar isso um hábito não é legal. As crianças crescem rápido e as fases delas passam voando. Aprender a andar, a brincar, conhecer os amiguinhos, fazer juntos as atividades da escola... Todos esses momentos são bons para fazer os laços de amizade e amor se tornarem bem fortes.

Os problemas do dia a dia e até os afazeres de casa não deveriam refletir na convivência que se tem com os filhos ou até com os enteados. Um texto que circula na internet diz algo que me fez pensar muito sobre como eu quero que os meus filhos lembrem-se de mim: "...As coisas quebram e são substituídas. Os gritos da mãe doem para sempre". E acredito que seja verdade.

Mas o que podemos fazer para ter uma rotina em casa e mesmo assim ser amigas de nossos filhos?

1- Fazer um planejamento da organização da casa. Isso pode facilitar na hora de fazer atividades em conjunto. Um planejamento semanal com as prioridades do lar sempre ajuda. Afinal de contas limpar as vidraças de casa toda a semana não é algo necessário.

2- Incluí-los nos afazeres. As crianças podem e devem ajudar em casa. É uma forma de estar presente e ensiná-las a dar valor ao seu trabalho. Elas podem ser responsáveis por pequenas tarefas como guardar os brinquedos, lavar a louça do lanche, tirar o pó dos móveis, limpar a pia do banheiro, recolher o lixo, entre outros. Tudo depende muito da idade do filho e, com certeza, uma mãe consegue distinguir o que ele consegue ou não fazer.

3- Pedir ajuda. O jornalista Marcelo Tas falou algo muito interessante sobre a convivência com crianças. “Nenhuma criança gosta de receber ordem de um adulto, mas todas adoram fazer coisas do mundo dos adultos. Sempre que você puder incluir uma criança em algo da sua rotina, experimente dizer a palavra mágica. Pode até mesmo ser uma tarefa doméstica chata, como lavar os pratos ou varrer a calçada. Imediatamente você perceberá o poder da palavra “ajudar”. 

 “Alguém aí pode me ajudar a dar um banho nesse cachorro?” Pode testar. É instantâneo. Não é difícil entender esse poder mágico. O encanto reside na diferença entre pedir ou mandar e... Compartilhar. Quando você convida uma criança a “ajudar”, você oferece a ela duas coisas preciosas: o mundo adulto e o seu tempo”.

4- Separar um tempo para brincar. Arrumar, limpar, ir ao mercado ou à feira, ou fazer o relatório que você trouxe do trabalho para casa são coisas que podem ser feitas em outro momento. Não dá para deixar as crianças crescerem com uma presença maquiada da mãe. Dar atenção a uma brincadeira, a um sorriso ou ao choro é uma forma de mostrar segurança e amor a eles.

5- Mudar. Talvez a lembrança que você tenha da sua mãe não a estimule muito com essas inovações em casa. O importante é saber que nossos pais cresceram em outra época e que também tiveram uma criação diferente, de um período mais antigo ainda. Pensando assim é mais fácil dar o primeiro passo e deixar que a criança que vive dentro de você possa acompanhar as crianças que estão na sala da sua casa esperando por um pouco da sua atenção.

O importante é fazer esse tempo valer a pena e dar aos filhos as melhores lembranças da infância: uma família alegre e presente. - See more at: http://familia.com.br/como-ser-uma-dona-de-casa-e-mae-mais-amigavel-com-as-criancas#sthash.pBUrrwJQ.dpuf
Postar um comentário