20 de set de 2013

Depressão é doença que mora na minha casa e parece que não te fim*

Essa doença que a cada dia vem pegando  minha mãe , como eu já disse aqui ela espalhou cadeados por todos os lados  elas fez isso pra nem eu nem meu filho mexer se meu filho pega o celular do tio ela briga então como eu peguei uma vez pro Samuka ela colocou mas um cadeado no armário só pra ele e eu não mexer e vem as brigas que eu não aguento mas se eu pudesse ir para outro luga eu até iria mas não tem moro com eles e dependo deles é complicado cada dia que passa ela fica mas neurótica será que eu mexer nos armário fiz ela fica assim ai e tanta complicações*

Uma tristeza sem fim. Até 2030 a depressão será a doença mais comum no mundo!

 

Uma triste realidade. Até 2030 a depressão será a doença mais comum no mundo! Esse mal da alma vai liderar mais do que do que os problemas do coração e o câncer. É o que revela a Organização Mundial da Saúde. Uma previsão sombria principalmente porque hoje em dia muitos de nós batalha pela qualidade de vida. E a depressão não escolhe um alvo apenas, quer todos reféns dela: do rico ao pobre, do mais novo ao idoso, com diploma ou não, ela ataca e vai minando corpo e alma. Especialistas explicam alguns fatores para que a depressão dê as caras: genética tem um peso grande, filhos com pais deprimidos têm mais chances de ter a doença. Não é regra, mas é possível. As mulheres correm mais risco por conta dos altos e baixos dos hormônios. O estresse também é um trampolim, assim como passar por perdas significativas na vida como a morte de pessoas ou passar alguma tragédia.
Talvez seja tempo de repensar nossa rotina. E tentar trancar o quanto antes as portas desse vilão que quando chega custa a se despedir de nós. E como enfrentar essa praga, considerado por alguns como uma “epidemia silenciosa?” Primeiro é justamente isso é que estamos fazendo agora, conhecendo um pouco dessa inimiga do bem-estar e, segundo, ter coragem para admitir que ela está mais perto do que a gente gostaria ou quando alguém nos diz que nosso comportamento mudou. E acima de tudo, aceitar a ajuda para lutar e sair vencedor dessa batalha. E entender ainda que sentir tristeza é normal e que há meios para acabar com ela.
Mas se isso persiste por muito mais tempo do que deveria, aí sim, o alerta foi feito e é preciso encontrar o que vai dar um jeito nessa “pata de elefante” que massacra o peito por tanto tempo e nos afasta de pessoas que gostamos, do trabalho e de um horizonte que pode ter mais raios de sol do que nuvens carregadas. Cuide-se aproveite o dia!!


Postar um comentário