5 de mai de 2013

Bruxismo em criança: uma das causas pode ser o fator emocional



Shutterstock
Qual pai ou mãe não fica agoniado ao ver o filho ranger os dentes enquanto dorme? Para detectar os motivos que levam algumas crianças a sofrerem de bruxismo - sobrecarga de força de um dente no outro --, uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) avaliou 652 crianças de 7 a 10 anos, estudantes do ensino fundamental na cidade de Belo Horizonte.

O estudo, que por meio de testes psicológicos traçou a personalidade e níveis de estresse das crianças, identificou o hábito em 35,3% dos avaliados. “O perfil psicológico daquelas que têm bruxismo é ser muito responsável, cumpridor impecável de tarefas, com tendência a ser perfeccionista, bem como dificuldade de lidar com conflitos, pressões, raiva e ansiedade”, constata Júnia Serra-Negra, odonto pediatra, professora da Faculdade de Odontologia da UFMG e autora do estudo -- que será publicado na International Jornal off Paediatric Dentistry. Nesses casos, o ranger dos dentes serve como válvula de escape dessas situações.

Segundo a pesquisadora, o bruxismo em crianças é pouco explorado, e alguns estudiosos acreditam que ele seja apenas um fator mecânico. Ou seja, como a criança tem a fase de troca dos dentes, e alguns ficam em tamanhos diferentes, a mandíbula do queixo, que é móvel, procura um ponto de equilíbrio durante essa instabilidade, daí o surgimento do hábito. Mas o resultado da pesquisa mostrou outro lado importante: o fator emocional.


Mudanças na rotina

Não pense que agora seu filho tem de ser ir responsável para deixar o costume de lado. Mas é hora de atentar para o dia a dia da criança e perceber o que pode provocar uma sobrecarga de responsabilidade em sua vida. Atividades esportivas e artísticas aliviam a tensão, e são ótimas para quem sofre com o distúrbio. Porém, caso se transformem em uma obrigação, farão o efeito inverso.

A estatística do bruxismo é grande ainda naquelas crianças que têm responsabilidades que não são de sua idade, como tomar conta da casa ou do irmão mais novo, por exemplo. Segundo a pesquisa, ele atinge 80% delas.

Alguns fatores externos também podem agravar o problema, como dormir de luz acesa, com a TV ligada ou ficar muitas horas no computador antes de deitar. “Esses estímulos sonoros e luminosos interferem no ciclo do sono, mesmo que a criança não acorde, e podem ser um gatilho para o bruxismo”, diz a especialista. Por isso, um ambiente tranquilo para o descanso ajuda no bem-estar da criança.


A percepção dos pais

De acordo com Júnia, embora a maioria das famílias saiba o que é bruxismo, algumas ainda associam o hábito com algum fator sobre natural, como bruxaria ou maus espíritos, por conta do nome. “Vale esclarecer que o problema nada tem a ver com essas questões, mas que há, sim, um forte componente emocional por trás dele. Por isso, um trabalho em conjunto com um dentista, psicólogo e neurologista (para descartar outros distúrbios do sono que possam levar ao hábito) é o que precisa ser feito”, diz.
Além dos desconfortos que o hábito pode trazer, como dores de cabeça, nas têmporas e enxaqueca, se o bruxismo não for tratado, além de prejudicar a estrutura do dente, pode levar à perda do mesmo. A especialista afirma ainda que placas, como as de silicone ou acrílico, usadas por adultos para proteger os dentes à noite, tem restrições para crianças, porque podem comprometer seu crescimento.
Postar um comentário