26 de mar de 2013

POEMA DO Chuveiro


Os versos que fiz no banho,
debaixo da ducha morna,
eu não consigo lembrar...

Meu poema de chuveiro
escorreu por meus cabelos,
percorreu meu corpo inteiro,
rimando com pele e pelos,
e, com a espuma, em torvelinho,
lá no ralo foi parar...

Encontrou, por certo, um rio
e, seguindo seu caminho,
seu destino foi o mar...

Por felicidade, um dia,
há de chover poesia
nesta cidade – eu espero!

Neste dia tão feliz,
quem sabe eu reconheça
o poema que eu fiz,
meu poema aventureiro:
filho pródigo
de volta ao lar! 30/08/2012{#}
Esse é meu gato esse gato é mas traquina que meu filhote
Esse é o gato do meu pai ele é mas traquina que meu filhote ele joga bola mas o que ele gosta de fazer é morde as canelhas das pessoas ele é demais. 06/02/2013{#}
Postar um comentário